Ouvir rádio

Pausar rádio

Offline
PUBLICIDADE
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/214763/slider/e0b7a2219c85819b11f0f3aecd7c2547.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/214763/slider/42610458bf7e91ed3a7e9c3f54b50b32.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/214763/slider/e83591e691eb0b9734ef857bc42d941e.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/214763/slider/c8b8ee966cc27f3832faba07b443d2fc.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/214763/slider/56b1a78f770e79d04de8df971a4a6301.png
Reviravolta na França - Esquerda vence segundo turno
08/07/2024 08:30 em Política Internacional

Mudança nos resultados. Em uma reviravolta surpreendente, que surpreendeu até mesmo grupos progressistas, a coalizão de esquerda Nova Frente Popular obteve o maior número de assentos na Assembleia Nacional da França nas eleições legislativas. Apesar da vitória, não houve força suficiente para que o bloco governe sozinho.

O segundo turno foi realizado neste domingo (7), e teve participação de quase 60% dos eleitores. Faltando a apuração de 5 das 577 cadeiras, as três maiores bancadas eram as seguintes:

- Nova Frente Popular (extrema esquerda): 181 assentos;
- Juntos (coalizão governista, esquerda): 166 assentos;
- Reunião Nacional (direita): 143 assentos.

Para a direita, o resultado foi fora de cogitação. No primeiro turno, ocorrido há apenas 1 semana, o partido Reunião Nacional (RN), de Marine Le Pen, havia saído à frente de todas as demais forças políticas.

No segundo turno, no entanto, o resultado contrariou todas as expectativas e garantiu a continuidade da agenda de extrema esquerda no país.

Jordan Bardella, líder do Rassemblement National (RN), partido de Marine Le Pen, afirmou neste domingo, 7, que o presidente Emmanuel Macron foi o culpado pela vitória da extrema esquerda nas eleições legislativas da França.

“Essa noite houve um regresso na política francesa. Esses acordos eleitorais jogaram a França nos braços da extrema esquerda. Com isso, o RN, largamente à frente no primeiro turno e nas eleições europeias, representam a vitória do amanhã”, disse.

“O RN encarna mais do que nunca a única força que pode reconstruir a França. Os arranjos eleitorais de um Palácio do Eliseu isolado e uma extrema esquerda incendiária não levarão o país a lugar algum”, emendou.

Fonte: Conexão Política

COMENTÁRIOS